Início / Notícias / Apps de namoro tornam homens gay mais propensos a crimes

Apps de namoro tornam homens gay mais propensos a crimes

Apps de namoro tornam homens gay mais propensos a crimesUma notícia do jornal inglês The News Minute, indica que as apps de namoro, embora tenham tornado mais simples a realização de encontros por parte da comunidade LGBT, tornaram também esta comunidade mais vulnerável a crimes.

Numa era cada vez mais tecnológica, é normal que consigamos conectar-nos cada vez mais facilmente a outras pessoas que tenham o mesmo gosto que nós.

Assim sendo, o amplo desenvolvimento das apps de encontros focadas na comunidade gay e LGBT tem sido um imenso sucesso.

Contudo, a verdade é que nem tudo é um mar de rosas. Muitas vezes, os encontros que parecem à primeira vista inocentes, acabam com crimes de chantagem, extorsão e roubo.

Apps de namoro: a propensão ao crime é maior do que imagina

Embora em Portugal esta situação não seja muito comum, não podemos afirmar a 100% que não acontece.

Não devem ser raros os casos em que homens gays, acabam por ter encontros que não estavam planeados e que em pleno hotel ou motel acabam por ser drogados e roubados.

Enquanto algumas situações envolvem apenas o roubo de pertences (como é o caso de joias, roupas ou dinheiro), algumas acabam por envolver situações em que a vítima fica bem mais vulnerável (como chantagem).

O pior de tudo, é que na grande maioria dos casos, quem usa estas apps de namoro para engatar homens gays, não faz sequer parte da comunidade LGBT.

Na verdade, quem comete este tipo de crimes está apenas a explorar uma comunidade que ainda hoje se sente pressionada pela sociedade que temos.

É então importante perceber que estes incidentes são mais comuns do que julgamos. Mas, não são situações recentes. Na verdade, a tecnologia apenas potenciou o seu desenvolvimento, assim como o lucro obtido pelos criminosos.

As apps de namoro facilitam os encontros e a socialização de pessoas com orientação sexual diferente sem qualquer tipo de tabu. Contudo, também abriram portas a crimes mais violentos.

O pior, é que muitas vezes esses crimes ocorrem dentro das suas próprias casas, porque cometeram o erro de partilhar a sua morada com alguém que tinha apenas como principal intuito a concretização de um crime.

Deste modo, é sempre difícil que quem use apps de namorado e sofra este tipo de crime, volte sequer a confiar nas mesmas.

A vergonha continua a ser o maior obstáculo

Contrariamente ao que possa pensar, a verdade é que muitos destes crimes ficam sem punição por vergonha.

A vergonha que muitos sentem em assumir a sua orientação sexual e reportar os crimes dos quais são vítimas, continua a ser em parte devido ao estereótipo da sociedade.

Assim sendo, se é gay ou bissexual, é importante que faça parte da comunidade LGBT do seu país. Além de se sentir mais protegido, irá fazer parte de uma comunidade com os mesmos interesses e onde poderá ser você próprio.

Acredite que é uma forma de apoio que o vai ajudar de forma considerável. Além disso, é provável que conheça dezenas de pessoas que também passaram pela mesma situação e que o possam ajudar.

Apesar da evolução, enquanto seres humanos temos ainda imenso para aprender sobre o amor e a compreensão.

Longe vem o tempo em que qualquer pessoa, independentemente da sua orientação sexual, vai pode estar livremente com o parceiro, sem sofrer olhares de repúdio.

É verdade, e digam o que disserem. Apesar de todas as tentativas de evolução, é preciso muito mais para que a comunidade LGBT seja respeitada em Portugal e em muitos outros países.

Agora que já sabe que as apps de namoro podem ser usadas de forma mal-intencionada, tenha cuidado com as informações que partilha.

A par disso, tenha também cuidados redobrados nos primeiros encontros, garantindo assim que a pessoa com quem está tem verdadeiro interesse em si.

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/10 (0 votes cast)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.